Anos Finais

Neste momento é importante pensarmos e valorizarmos as vivências e experiências dos(as) adolescentes e jovens no cotidiano familiar, bem como cuidar com serenidade, tolerância e alegria as nossas relações e a nossa saúde psicológica e emocional. Nós, educadores(as), também precisamos de atenção e cuidado neste período, e tudo passará de forma mais leve, tranquila e produtiva se nos sentirmos intelectualmente ocupados, pensando uns nos outros, colaborando uns com os outros, trocando ideias, leituras, dicas e atividades com uma distância geograficamente segura, mas com uma cumplicidade fraternalmente conectada.

Inspirados nesse espírito de resiliência, de uma espera não passiva, de seguir em frente e de esperança em uma retomada revigorada e recheada de emoções, lembramos que o  Documento Orientador Curricular do Território Rio-grandino   pode, desde já, fundamentar nossas reflexões e propostas, seja incentivando práticas mais elaboradas de pesquisa que ajudem a produzir conhecimento e criticidade a fontes de informação e de compreensão da vida em sociedade ou  propondo desafios, sempre estimulando a autonomia dos(as) adolescentes e jovens, buscando ofertar meios de interação.  Podemos, portanto, neste período tão peculiar, experimentarmos nós mesmos alguns saberes e fazeres cabíveis em atividades prazerosas, e que poderão ser, ou não, fomento para nossos devires educacionais, agora ou depois.

Então fica o convite para brincar com o raciocínio lógico, fazer pesquisas, assistir filmes, jogar, e tudo o mais que couber nestes dias que poderão parecer nebulosos, mas que nos trazem aprendizados ímpares, inéditos, e uma incontestável certeza, a de que precisamos uns dos outros para existirmos e, claro, para fazer Educação.