Prefeitura qualifica moradias dos kaigangues e anuncia políticas para a área indígena

Um projeto de lei propondo a criação da Coordenadoria de Políticas Públicas para os Povos Indígenas em Rio Grande vai ser encaminhado pelo Executivo ao Legislativo, até a próxima semana. A medida foi anunciada pelo prefeito Alexandre Lindenmeyer, durante a cerimônia de entrega da revitalização de moradias e saneamento para os kaigangues que vivem na aldeia Goj Tánh, no Horto Municipal do Cassino. O evento foi realizado segunda-feira(9) à tarde e reuniu lideranças indígenas, representantes do Comitê Ação e Cidadania, integrantes do Ministério Público Federal (MPF) e secretários de governo.

O projeto de revitalização custou R$ 25 mil e foi um pedido ao MPF feito pelo Comitê Intersetorial de Políticas Indigenista, órgão da Prefeitura que reúne 10 secretarias municipais. “Queríamos dar uma condição de moradia e dignidade para essas pessoas”, destaca a coordenadora do Comitê, TatianaBoubadilha Freitas.

Os trabalhos na aldeia tiveram mão-de-obra da Prefeitura. No local, houve a troca dos telhados por material galvanizado, colocação de divisórias internas, construção de duas unidades, readequação de banheiros e da lavanderia e instalação de banheiros secos num convênio com a Furg.

Liderança indígena na aldeia Goj Tánh, no Horto Municipal, o cacique Cláudio Ka Peni Leopoldino agradeceu ao apoio dado pela Prefeitura, MPF e pelo Comitê Ação e Cidadania. Em discurso, falou que, “se não fosse a ajuda desses órgãos, as crianças não estariam pulando de alegria”.

O prefeito Alexandre Lindenmeyer comentou na cerimônia que a qualificação nas moradias é uma forma de dar mais dignidade a essa população. Citou que “a parceria da Prefeitura com o MPF e o Comitê Ação e Cidadania traz mais qualidade de vida para os kaigangues” e é uma forma de respeitar os povos originários, neste caso, os indígenas. Ao anunciar o envio ao Legislativo do projeto para criação de políticas para os indígenas e de contribuir com melhores moradias para a aldeia no Horto, o prefeito afirmou que essas são ações da Prefeitura em parceria com outras instituições e, ao mesmo tempo, um “símbolo de resistência num cenário do absurdo, em que os povos tradicionais estão sendo pressionados”. Acredita que “cabe a nós sermos solidários e parceiros para preservar alternativas de vida para esse povos”.

A procuradora da República, Anelise Becker explicou que o trabalho com os direitos indígenas é uma das funções institucionais do MPF e, desde que os kaingangues começaram a chegar em Rio Grande, começaram as tratativas para se ter um local que os abrigasse com dignidade. Ela salientou que a revitalização das moradias tem um significado simbólico muito importante, pois “o acolhimento que o município do Rio Grande tem dado aos Povos Indígenas mostra que há um grande interesse e dedicação a essa causa e a esses povos”. Isso, acrescenta, “é muito importante no mundo em que vivemos”.

No final da solenidade, o prefeito, a procuradora do MPF, a coordenadora do Comitê Intersetorial e o cacique Cláudio Ka Peni Leopoldino plantaram mudas de árvores frutíferas dentro do Horto.

Também acompanharam a atividade funcionários da Prefeitura que fazem atendimento direto aos Povos Indígenas, tanto da área da Saúde (SMS) como da Cidadania e Assistência Social (SMCAS).

Assessoria de Comunicação PMRG

Postado em: 10 de setembro de 2019

Tamanho da fonte
Contraste