Município participa de agenda estratégica para diminuição dos índices de Hiv/Aids, Sífilis, Tuberculose e Hepatites Virais no estado

Representantes do município de Rio Grande participaram de um encontro realizado na última semana na capital, Porto Alegre, que discutiu estratégias que visem a diminuição dos índices que apontam o aumento excessivo no Rio Grande do Sul das  taxas de mortalidades por Aids, HIV em gestantes, AIDS em menores de 5 anos, SÍFILIS adquirida, SÍFILIS congênita, SÍFILIS em gestantes, Incidência de tuberculose e HEPATITE C.

A Secretária de Vigilância em Saúde por meio do Departamento de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis (DCCI) em parceria com a Secretaria da Saúde do Estado do Rio Grande do Sul, manifestou preocupação diante esta grave situação que se encontra o Estado do Rio Grande do sul em relação às doenças HIV/Aids, ISTs, Hepatites Virais e Tuberculose.

Através de um estudo epidemiológico, foram selecionados 10 Municípios Gaúchos, eleitos com base nos indicadores prioritários para esta reunião, foram eles: Novo Hamburgo, Passo Fundo, Pelotas, Porto Alegre, Rio Grande, Santa Maria, São Leopoldo e Viamão. Os representantes da Secretária Municipal de Saúde da Cidade de Rio Grande para essa reunião foram o secretário Municipal de Saúde Maicon Lemos, o superintendente da Atenção Básica, Fernando Bitello, a coordenadora do Programa IST/AIDS, Claudia Borges e a coordenadora do Programa Nacional de Controle a Tuberculose, Bárbara Medeiros. Para os gestores, o encontro foi de extrema importância, uma vez que se pode discutir diferentes estratégias entres as cidades, novas abordagens e medidas para a diminuição desses índices.

A agenda estratégica tem como objetivo refletir de acordo com as necessidades de cada cidade do Estado do Rio Grande do sul, tendo em vista prioridades como: redução nos índices de mortalidades, o avanço nos diagnósticos e tratamentos, como também ampliação em acesso as ações de prevenção sobre todas essas doenças. Como para as pessoas vivendo com HIV, Hepatites Virais com foco na Hepatite C, nas transmissões de mães para filhos em relação aos casos de Sífilis e Hepatites B e em questão de sífilis em gestantes.

Ao longo dos dois dias de reuniões foram feitos trabalhos de articulações para que ajam resultados imediatos nos municípios. Para as servidoras Cláudia Borges, do núcleo de IST/AIDS, e Bárbara Medeiros do Programa Nacional de Controle a Tuberculose, o encontro foi de grande valia para que eles tivessem uma visão ampla entre os municípios para que se possa, gradativamente, reduzir o percentual de pessoas infectadas por estas doenças.

Com informações da Secretaria Municipal de Saúde

Foto: Divulgação/SMS

Postado em: 15 de agosto de 2019

Tamanho da fonte
Contraste