Estudantes da escola Helena Small recebem palestra do projeto “Defesa Civil na Escola”: iniciativa vai percorrer as 77 escolas da Rede

Em continuidade ao projeto “Defesa Civil na Escola”, lançado pelo órgão de defesa no mês de agosto, a Defesa Civil de Rio Grande promoveu nos períodos da manhã e tarde desta sexta (1º) encontros com turmas do 4º, 5º e 6º ano da Escola Municipal de Ensino Fundamental Helena Small. O projeto vai percorrer as 77 escolas da Rede Municipal de Ensino, contando com as parcerias da Secretaria de Educação (SMEd) e do Núcleo de Educação e Urgência (NEU/SMS) e colaboração dos socorristas do Núcleo Comunitário de Proteção e Defesa Civil (NUPDEC).

O vice-prefeito Paulo Renato Mattos Gomes, que é o coordenador da Defesa Civil no Município, participa da dinâmica de palestras com os alunos, apresentando o projeto e explicando a importância do aprendizado das noções básicas de primeiros socorros pelos estudantes. “Nosso objetivo, ao trazer esse projeto para dentro das escolas, com ensinamentos sobre como as crianças e adolescentes devem proceder em situações adversas, como engasgos, desmaios, queimaduras, entre outros, é de torná-las multiplicadoras dessas informações úteis e que as partilhem junto dos seus familiares. Além disso, estamos cumprindo também a determinação da Lei Federal 13.722, a ‘Lei Lucas’, que torna obrigatória a capacitação em noções básicas de primeiros socorros de professores e funcionários de estabelecimento de ensino públicos e privados, capacitações estas que estão acontecendo em paralelo às palestras com os alunos”, explica o vice-prefeito.

O secretário-executivo da Defesa Civil, Anderson Montiel, é quem dá a palestra para os estudantes, apresentando a Cartilha Defesa Civil na Escola, especialmente desenvolvida para o projeto e distribuída a todos os alunos. Com o material em mãos, as crianças acompanham atentas e curiosas as instruções repassadas pelo servidor do órgão de proteção. Entre os tópicos discutidos com os alunos, Montiel explica para que serve a Defesa Civil, o significado do seu brasão, e qual o papel que a Defesa desempenha no dia-a-dia da comunidade. Também conversa com eles sobre a necessidade de preservação e prevenção contra incêndios nas nossas florestas e do descarte incorreto de lixo no meio-ambiente.

Com o auxílio do Anderson Fernandes, também servidor da Defesa Civil, Montiel exemplifica o que as crianças devem fazer caso passem por uma circunstância de engasgo, desmaio, ou sangramento nasal de algum colega. Especialmente nas situações de desengasgo, ele mostrou como realizar a chamada “Manobra Heimlich”, explicando que a manobra deve ser feita por pessoas adultas e que, nestes casos, as crianças devem pedir a ajuda dos professores. Também orientou que nesta e nas situações anteriores os alunos devem ligar para o SAMU no telefone 192.

Dando sequência ao roteiro, ele também orientou a platéia sobre como evitar a ocorrência de acidentes domésticos envolvendo gás de cozinha, quedas, choques, queimaduras, ficar trancado dentro do carro e ingestão acidental de medicamentos e produtos químicos. E informou o número para contato da Defesa Civil de Rio Grande (199), do Corpo de Bombeiros (193), da Brigada Militar (190) e da Polícia Ambiental (3235-4702). A equipe de palestras nas escolas também é composta pela Carla Daiane, assessora de gabinete do vice-prefeito e pelo Ronaldo Victória, servidor da Defesa Civil Municipal.

Capacitação com os professores e professoras da Rede

Outra etapa do projeto diz respeito à capacitação dos profissionais da educação. A Defesa Civil em parceria com a Secretaria de Saúde, através do Núcleo de Educação em Urgências, SMED e voluntários do NUPDEC Socorristas, está realizando estas capacitações em noções básicas de primeiros socorros. O curso estima capacitar 600 profissionais da Rede Municipal ainda este ano, sendo 150 em cada encontro. Dois já foram realizados. Seguindo no mesmo cronograma, para 2020 a expectativa é de capacitar 1800 professores/servidores. O curso aborda ocorrências específicas que podem acontecer no ambiente escolar, como convulsão, desmaio, queda, sangramento nasal, engasgo, entre outros, sendo dividido em parte teórica e prática, com realização de oficinas. Essa capacitação obedece à Lei Lucas (Lei Federal 13.722).

Fotos: Divulgação/PMRG

Postado em: 1 de novembro de 2019

Tamanho da fonte
Contraste